Foto: AP Macedo

Tempo, tempo, tempo Na coluna de literatura desta semana, a escritora Elza Cléa fala sobre o tempo. Ou melhor, com o próprio.

Fala ao Tempo
Elza Cléa

O tempo vai passando rápido – rápido demais, frenético.

Oi Tempo! Por que tanta pressa? Sua pressa incomoda a gente. Atrapalha, não vê? Para sorver a vida gole a gole precisamos de um Tempo mais lânguido, mais relaxado. Tempo para amar mais e melhor, tempo para contemplar a vida, o Universo.

Onde você vai assim? Onde quer chegar tão rápido? Você não tem piedade? Os cabelos encanecem antes da hora, os sulcos nas faces precipitam-se assustados, com medo de perder a vez. Mal nascemos já estamos velhos. E os romances, então? Acabam no nascedouro, sem oportunidade de serem saboreados gostosamente como frutos maduros. Também, pobres coitados, não têm nem tempo de amadurecer! E você nem liga, lá se vai, sempre correndo. Você não tem coração?

Peraí! Pode andar um pouco mais devagar? Desse jeito não dá. Parece até que os dias estão pela metade! Como era bom quando a gente acordava e tinha um dia inteiro pela frente… Que saudade daquele Tempo! Sim, saudade daquele porque sei que o de hoje, você, é outro. É claro que você não é o mesmo.

Aquele sim, é que era bom: compreensivo, andava de acordo com nosso compasso; mais rápido quando estávamos longe do ser amado; mais lento quando estávamos juntos; dava tempo ao tempo minorando dores, cicatrizando feridas… Dava tempo até para esclarecermos mal-entendidos, desdizer o que não havia soado muito bem…

Oi, tempo: vá mais devagar, se espreguice, se alongue. Pare, observe um gato se alongando ao acordar. Já viu como é? Então, faça como ele.

Cochile um pouco. Introduza um segundo que seja de cochilo em cada minuto: quem sabe assim você desacelera? Quem sabe amanhã possamos viver dias completos? Preciso desse amanhã, preciso de dias inteiros, daquelas vinte e quatro horas das antigas, do outro Tempo.

Bom, vou te deixar. Vou deixá-lo seguir. Preciso que corra, corra muito; que chegue rápido até o amanhã – quero trocar logo de dia. Estou cansada do hoje.

 

Compartilhe

Você também pode gostar

2 comentários em “Tempo, tempo, tempo Na coluna de literatura desta semana, a escritora Elza Cléa fala sobre o tempo. Ou melhor, com o próprio.

  1. Tamine Maria
    27/07/2015 at 16:00

    Linda reflexão bem humorada sobre o tempo!!!

    • Ana Paula Macedo
      27/07/2015 at 16:01

      Obrigada, Tamine!
      Bjs

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com