Pesquisador identifica quando vamos nos distrair

Ontem assisti uma entrevista do pesquisador americano Nicholas Turk-Browne que achei muito interessante. Ele descobriu que dá para “treinar” o cérebro para que fique focado em meio a tantas distrações da vida moderna.

Nicholas Turk-Browne_cropped-300x300
Nicholas Turk-Browne

Taí uma coisa que tenho sentido uma certa dificuldade: to stay focused, ou ficar focada em uma coisa só por um certo período de tempo. Normalmente, o meu dia se divide entre o laptop, o tablet, os livros, os papeis, a TV… e no final parece que alguma coisa ficou pendente. Pior ainda, a cabeça fica exausta e parece que não absorvi nada!!

Uma das coisas que Nicholas falou na entrevista é que quanto mais fontes de informação usamos, mais suscetível à distração ficamos. Ele disse ainda que temos dificuldade em manter o foco porque não sabemos o momento em que ficamos distraídos.

Mas como é que faz para evitar essa fragmentação da atenção diante da vastidão de informação e tecnologia disponível?

O pesquisador apresentou o resultado de um estudo que fez em seu laboratório de neurociências na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, que pode auxiliar muito na aprendizagem escolar e no combate à depressão.

Usando um aparelho de ressonância magnética para escanear o cérebro, Nicholas conseguiu identificar o momento em que a pessoa está prestes a se distrair. Com este feedback é possível treinar o cérebro a retomar a atenção e manter o foco na atividade por um longo período de tempo.

brain-connections

Muitos estudantes e profissionais, como pilotos de avião, motoristas de caminhão e médicos, vão se beneficiar quando o resultado dessa experiência puder ser aplicado na prática.

Em casos de depressão, um dos comportamentos comuns é o negative attention bias. É quando a pessoa depressiva foca nas coisas negativas e tristes que acontecem ao seu redor. Com o estudo feito por Nicholas, psicólogos e profissionais de saúde mental vão poder ajudar seus pacientes a direcionar a atenção para as coisas positivas e, assim, ajudar a aliviar a depressão.

Bacana, né?

Enquanto não posso identificar o momento em que me distraio, acho melhor eu passar a limitar o número de gadgets e janelinhas abertas ao mesmo tempo.

E você, o que faz para evitar a distração e ficar focado(a) por um longo período de tempo na tarefa em que está envolvido(a)?

Compartilhe

Você também pode gostar

Um comentário

  1. Beth Mendonça
    20/03/2015 at 10:20

    Enviado do Samsung Mobile da Claro

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com