Os varais da vida

Esta semana, a escritora Elza Clea nos leva numa viagem pela vida ao vento que seca as roupas no varal.

Espero que gostem!


Varais

Vento. Balançam as roupas na corda. Paro. Olho.

Reais, palpáveis. Já as vira. Não as mesmas roupas, não as mesmas cordas. Mas são, eu sei.

Eu sei. Muitas vezes as vi. Onde antes? No quintal da minha infância. No muito que caminhei. Vi-as em todos os campos. Contemplei-as em cada encontro. Em todos admirei a colorida dança ao vento.

Vi-as nas telas de pintores: Heitor dos Prazeres, Eliseu Visconti. Volpi?

Imaginei-as nas bandeiras agitadas da canção popular.

Lembro-as nas bandeiras budistas. Tremulam nos templos. Com ajuda do vento espalham boa sorte.

Tremulam também as roupas que vejo. Balançam no varal, dão-se o braço. Dançam juntas, animado baile. Melodia? Canta o vento. Assobia com vigor. Embala-as. Avoluma-as. Enche. Esvazia. Embola. Estica.

Sopra. Parece dizer a cada peça: vai! Pros cantos do mundo. Vai! Leva histórias que você tão bem conhece. Conta histórias do corpo que veste. Revela enredos da cama que cobre. Conta segredos.

Fecho os olhos. Vivência guardada dentro, mente e coração.

Olhos abertos. Contemplo montanhas no oeste. De lá vem o vento.

Venta nas vestes da cama e dos corpos. Venta no quintal, no mundo. Venta na vida. Venta em mim.

Entrego-me. Desfruto. Vento canta no ouvido. Danço seu ritmo. Aprendi com coloridas roupas na corda.

Elza Cléa
18/11/2014

Compartilhe

Você também pode gostar

2 comentários em “Os varais da vida

  1. Elisabeth
    03/12/2014 at 09:01

    ANA PAULA

  2. Tamine Maria Elmôr
    30/11/2014 at 22:10

    Elza Clea, poeta!!

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com