O tempo e a qualidade de vida Você vive correndo para ganhar tempo? Pense duas vezes, então.

O macaco que pula de galho em galho pensa que ganha tempo. Que nada. Essa inconstância cotidiana só o faz roubar tempo de si mesmo.

Não roubar nada de si nem do outro também faz parte da prática “yóguica”.  Ela, como a vida, tem seus critérios, entre eles a assimilação do tempo. Quando adentramos a sala de yoga e vamos para as posturas, as respirações e o relaxamento, nenhum segundo se perde. Tudo ali tem seu canto e motivo, sua função e seu espaço.

O mundo não deixou de ter 24 horas, nem 365 dias no ano. Nós é que agora acumulamos muito mais do que o sensível e o possível. Mais coisas pra mostrar, mais afazeres a responder e assim o tempo se exígua. E assim nos tornamos ladrões de nós mesmos, paradoxalmente acreditando fazer mais com mais ganho. Evidentemente o corpo sente mais cansaço físico, emocional e energético. Isso só vai se somando ao longo dos anos quando as disfunções orgânicas surgem.

Por exemplo, cometemos “pequenos” assaltos à geladeira; inventamos aquela desculpa esfarrapada para não fazer um exame; vamos a lugares com pessoas que não nos dizem nada.

A máxima para qualquer um de nós deveria ser cuide da sua saúde antes que alguém estranho o faça. Não dê ao outro a oportunidade de te envenenar… refiro-me ao alimento tanto d’alma quanto digestivo. Portanto não ganhe tempo comprando alimentos e coisas que vão te satisfazer instantaneamente. Sua média de vida é maior agora e como viver todos esse dias é o que importa. Seu tempo quando não escolhe de forma equilibrada o que come, onde come, quanto come, é uma conta sem preço. Roubou de si mesmo qualidade em vida. Por exemplo, cometemos “pequenos” assaltos à geladeira; inventamos aquela desculpa esfarrapada para não fazer um exame; vamos a lugares com pessoas que não nos dizem nada.

Enquanto se desculpa e vai fazendo do jeito que dá, certamente terá mais tempo pra ficar presa no trânsito com fome, pra comer rápido e acordar se sentindo zonza ou fraca e pra tomar aquela vitamina de farmácia.Tudo bem que a cosmiatria atual seja potente. No entanto, a maioria está envelhecendo antes do tempo. Botox segura a ruga, mas a pele é o maior órgão do corpo. Não dá para por no corpo todo!

Parar e mastigar, sentar num banco de parque, uma água de coco, são atos saudáveis a serem repetidos em prol do seu bem estar. Enquanto o macaco pula ainda de galho em galho, você se senta num tronco da árvore, aprecia a sombra, o vento e respira em paz.


 Luana Mia é mãe, historiadora, bailarina, instrutora de Hatha Yoga e budista. Atualmente está escrevendo um livro de bolso sobre gatos, desmistificando os tabus sobre eles. Já passou por várias nuances da vida em que muita vezes foi estigmatizada de “estranhamente rebelde”. Hoje compreende que como ela, há pessoas em que a alma fica gritando: vai pula, você consegue! Enquanto outras buscam amarrar suas pernas. Mas a alma tem pernas maiores e a busca pela compreensão de si a fez ver que rebeldia era uma porta que a levaria para o resto do mundo em si mesma.

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com